Dilma X Lina – por Jabor

Anúncios

CHEIRO DE PIZZA! PALOCCI VEM Aí

brasil13E o telefone do disque-pizza não pára de tocar em Brasília. Desta vez, a turma do PT está com os dedos cruzados. A torcida é para a absolvição do ex-ministro e deputado federal Antonio Palocci no Supremo. A investigação é sobre aquela velha história envolvendo o caseiro Francenildo, que em 2006 revelou que o petista frequentava uma casa em Brasília onde aconteciam festas, falcatruas e divisão de dinheiro.

A investigação foi conduzida pela Polícia Federal – comandada pelo próprio PT – e hoje (27/8) deve ser julgada pelo STF. Caso seja inocentado, mafioso Palocci deve desembarcar em São Paulo para concorrer nas eleições de 2010. Vamos ficar de olho!

Tirar férias é saída para qualquer problema

charge clayton dilmaA reboque de José Sarney, que no áuge da crise no Senado tirou férias, Dilma Rouseff (Casa Civil) também puxou o carro. Sob a desculpa de estar cansada, a ministra se afastou do cargo temporiamente. A ideia é deixar a poeira baixar, já que o envolvimento da guerrilheira petista com a ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira poderia desgastar mais ainda a imagem da candidata do presidente Lula para 2010.

Quando será a vez do povo em tirar férias desse bando de gente?

Na briga dos bigodes, o barba venceu

sarney_lula_mercadanteA força do PT em manter José Sarney no cargo de presidente do Senado irritou alguns senadores. Um deles foi Aloisio Mercadante, líder do governo na casa. Ele esbravejou, disse que não se conformava com o arquivamento das investigações pelo Conselho de Ética e, por isso, garantiu aos eleitores que sua renúncia ao cargo de chefe do partido no parlamento seria ‘irrevogável’.

Os bigodes definitivamente não estavam se entendendo.

Foi então que o barba entrou em ação.

Chamado para uma conversa ‘a portas fechadas’ com o presidente Lula, Aloisio estaria decidido a renunciar. Mas no fim deu pra trás.

O que teria acontecido?

(1) Mercadante mentiu ao dizer que renunciaria ao cargo de líder do PT no Senado.
(2) Lula fez a Mercadante “uma proposta que ele não poderia recusar”. Por isso renunciou à renúncia.
(3) A imagem de político sério de Mercadante não passa de fake?
(4) Com certeza, todas alternativas acima.

O dia do ‘fico’ de Mercadante

1821VC0046.image_media_horizontalAloisio Mercadante está com a cara no chão. Ele  foi uma das figuras mais massacradas do Twitter nesta sexta-feira. Tudo porque tinha garantido aos quatro ventos, inclusive pelo microblog, que deixaria a liderança do partido por conta do arquivamento das acusações contra José Sarney. A decisão só saiu por causa do apoio do PT, que votou a favor do ‘acordão’.

A saida de Mercadante da liderança já era certa. Mas hoje… Em um encontro à portas fechadas com Lula, o senador petista voltou atrás.

É. O PT, definitivamente, não é mais o mesmo. Com a palavra, Marina Silva.

Dilma também mente?

DilmaEla nega, nega, nega. Mas está mais do que claro que a máscara de Dilma Rousseff está por um fio. Para comprovar o encontro entre a ministra com a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, a Câmara dos Deputados solicitou hoje (21/08) à Casa Civil várias informações, entre elas a agenda e vídeos do circuito interno do Ministério, para tirar a limpo toda essa história.

Na reunião, que Dilma jura de pé junto que não houve, a ministra teria pedido à Lina uma forcinha para agilizar as investigações sobre as empresas de Fernando Sarney, filho de José Sarney. A ex-secretária disse aos parlamentares que entendeu o pedido como uma ordem para encerrar o processo dentro da Receita.

O pedido dos deputados deve ser atendido em um prazo de um mês. Caso contrário, a ministra poderá responder por crime de responsabilidade.

Enquanto isso, o nariz AUMENTA!!!

Absolvido, Virgílio nega "acordão" no Senado

Do iG

BRASÍLIA – O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), negou que o arquivamento da representação do PMDB contra ele no Conselho de Ética faça parte do “acordão” firmado entre governo e oposição para inocentar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) e trazer um mínimo de normalidade institucional à Casa.

“Não há acordo, até porque não fiz nada. O que aconteceu foi que tiraram o bode da sala. Há outros casos sabidos de senadores que fizeram o mesmo que eu e fingem que não sabem”, disse ele se referindo ao caso de um assessor autorizado a ir estudar na Espanha às custas do Senado.

AE
Virgílio na tribuna
“Tiraram o bode da sala”, diz Virgílio

Virgílio ainda disse não saber se o presidente do Conselho, Paulo Duque (PMDB-RJ), responsável pelo arquivamento da representação, agiu sozinho ou teve o apoio de seu partido para a ação. “Eu não sei se existiu conselho, talvez fosse pior o contrário, se abrissem o processo. Eu não poderia aceitar que um processo fosse aberto só para provar que não existiu o acordão”, disse.