Ciro reclama de ameaças do PT paulista

Um dia após a divulgação da pesquisa de intenção de voto CNI/Ibope, o deputado Ciro Gomes subiu o tom contra o PT e afirmou não ter vocação para PC do B. Em entrevista à TV Estadão, o pré-candidato do PSB à Presidência disse temer que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva atue para constranger seu partido a não lhe conceder a legenda para sua candidatura ao Planalto. Lula, pela delicadeza com que me trata, não me pedirá jamais para não ser candidato, disse o deputado. Questionado se haveria outra forma de o presidente fazê-lo ficar de fora do pleito, Ciro afirmou: As outras formas podem ser muito cruéis. Por exemplo, constranger o partido a não me dar legenda.

O parlamentar deve ter uma reunião com a cúpula do PSB no mês que vem para bater o martelo sobre a candidatura. Lideranças do seu partido defendem apoio à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff ? que na última pesquisa CNI Ibope apareceu a apenas 5 pontos do governador José Serra, virtual candidato do PSDB.

A saída da corrida presidencial não significa embarque na disputa ao governo de São Paulo ? projeto inicial de Lula que está praticamente enterrado. Ciro sempre resistiu à ideia e, nas últimas semanas, o PT consolidou o nome do senador Aloizio Mercadante como postulante. Declarações de Ciro contra o PT paulista azedaram mais a negociação.

Não tenho vocação de PC do B para ser humilhado, como aliado do PT. Sou parceiro. Me respeita. Agora, na hora que eu quiser dizer que estão errados, vão ouvir. E podem reagir, que também respeito, afirmou ao se referir a ameaças pelos jornais de parte do PT paulista. Para petistas, Ciro quer mesmo é ser vice de Dilma, o que ele nega: Ninguém é candidato a vice.

Questionado sobre a parceria com o PT, praticamente inviabilizada em São Paulo, ele ironizou: Oh, que pena. Quero dizer com muita seriedade: nunca foi o meu propósito. Completou: Estou pouco ligando, francamente, engoli as bobagens que o PT falou quando fiz o sacrifício. Não falei nada, afirmou, em relação às declarações da ex-prefeita Marta Suplicy, que ironizou a candidatura Ciro em São Paulo.

Em 2006, nesta fase, estavam cogitando minha candidatura para governador do Rio. E o PT, como sempre, porque a natureza de escorpião é essa, pela boca de Vladimir Palmeira (petista do Rio), mandava o cacete em mim. Estou acostumado. Agora tem os petistas do Ceará. Conheço eles há vinte anos, declarou.

Ciro afirma não ter um problema com o PT, em geral. Me dou super bem com Lula e com a maioria esmagadora do PT. Pergunte ao Zé Eduardo Martins Cardozo. Não vai ser mais candidato porque não aguenta mais.

Ele minimizou a pesquisa CNI/Ibope em que está estagnado em 11% da intenção de voto. Defendeu sua permanência no páreo para politizar o debate.

(Estado de S.Paulo)

Ciro cria mal estar com PT paulista

Por onde anda, por onde fala Ciro Gomes costuma criar polêmica, inimigos e desafenças até com aliados. Não foi diferente com o PT de São Paulo. Depois de tentar forçar uma candidatura do ex-governador do Ceará para disputar o Palácio dos Bandeirantes, a legenda do PT paulista ficou magoada com uma declaração de Ciro dizendo que o partido do Estado e´um “desastre”.

De acordo com o presidente do PT de São Paulo, Edinho Silva, a opinião de Ciro está fora de sintonia. “É uma situação fora de contexto ao processo que nós estávamos construindo com ele, que é de muito respeito e lealdade”, afirmou.

Ainda segundo o presidente do PT-SP, a possível aliança para lançar Ciro candidato em São Paulo está praticamente sepultada. “[A declaração] interrompe um processo de construção que estávamos fazendo”, disse.

Enigmáticos

Trio parada dura em ação

Trio parada dura em ação

Primeiro Lula e Ciro ficaram de conversar em janeiro para definir o futuro. Depois o encontro ficou para fevereiro, sendo adiado em seguida para 15 de março e agora marcado para 15 de abril. Jogam juntos, evidente. Embora nem o PT saiba exatamente para quê, circulam versões a respeito no partido.

Uma delas reza que Lula mantém Ciro na presidencial para conter os índices de Serra nas pesquisas. Outra diz que Ciro é reserva técnica para vice. Petistas mais inconformados com a hipótese de tê-lo como candidato ao governo de São Paulo, consideram a hipótese de que, se demorar muito, Marina Silva acaba ultrapassando Ciro nas pesquisas. Gazeta do Povo – Dora Kramer

Aqui não!

Aloizio Mercadante ainda não foi lançado candidato ao governo paulista, mas já manifestou ao PT e ao Planalto sua contrariedade com a visita que Dilma fará hoje à Fiesp, evento que indiretamente servirá para promover a campanha do presidente da entidade, Paulo Skaf (PSB), ao mesmo cargo.

Ciro é o vice de Dilma

Nova formação deixa Michel Temer de escanteio na disputa pela vice-presidência na chapa do PT

Michel Temer fica de escanteio na disputa pela vice-presidência na chapa do PT

Desde o início do ano passado Ciro Gomes tem sido uma pedra no sapato do PT. Os bons números alcançados por ele nas pesquisas de opinião para a corrida presidencial fizeram com que o governo o levasse em banho-maria. Primeiro o presidente Lula tentou convencê-lo a desistir da candidatura, o que deixaria o caminho livre para Dilma Rousseff. Depois chegou a fazer pressão para que o ex-governador do Ceará saísse candidato ao governo de São Paulo com apoio do PT, o que balançou Ciro. No entanto, o plano também não deu certo. Mas parece que agora o quadro começa a se definir. Articulações comandadas por Lula ao longo da última semana definiram que Ciro Gomes será o vice de Dilma.

A decisão deve ser confirmada nos próximos dias em Brasília. Analisando friamente, a nova configuração eleitoral levaria Dilma a 39% das intenções de voto, levando em conta a última pesquisa Datafolha na qual a candidata do PT aparece com 28%, seguida por Ciro com 11%, ante os 32% de Serra.

Para o PT esse seria o cenário ideal, certo? Nem tanto. A decisão de colocar Ciro na chapa de Dilma vai cair como uma bomba em cima de Michel Temer, até então o nome mais cotado para ocupar o cargo de vice da petista. À revelia de lideranças do partido, Temer armou uma guerra para ter seu nome indicado pela legenda para ocupar o cargo de candidato a vice-presidente. Agora, Temer ficará de escanteio na disputa nacional. Enquanto isso em São Paulo continua firme e forte a coligação PMDB-SP, PSDB e DEM para eleger José Serra presidente da República, bem como o próximo governador do Estado. Uma aliança que só tende a crescer a partir desse novo quadro eleitoral.

Telhado de vidro

Mais conhecido que Marina Silva, Ciro tem hoje um ponto fraco que todos os demais já resolveram: não tem parceiros para possíveis alianças. Portanto, antes de fazer uma radiografia de suas falhas diante do eleitor, o PSB espera para ver se terá uma parceria minimamente viável em termos de tempo de televisão ou se desistirá do projeto presidencial para se aliar ao PT, lançando Ciro como candidato ao governo de São Paulo.

Mercadante diz que PT quer aliança com PSB em SP e que Lula não pediu sua candidatura

O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) afirmou nesta quinta-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não pediu sua candidatura ao governo de São Paulo e que o partido mantém interesse em fazer aliança com o PSB no Estado.

“O nome que ele [presidente Lula] sinalizou é o do Ciro Gomes”, afirmou.

Mercadante não respondeu se sairá candidato a governador caso Ciro não seja o nome do partido para São Paulo, e afirmou que disputará novamente uma cadeira no Senado em 2010.

Apesar dos planos do PT de emplacar Ciro Gomes como candidato ao governo de São Paulo, o partido sustenta o discurso de que o deputado cearense tem o direito de se lançar candidato à Presidência da República.

O ex-ministro José Dirceu afirmou que a possível candidatura de Ciro não vai desviar votos da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). “A Campanha de Dilma tem apoio da maioria dos partidos”, disse Dirceu.