PT lançará Mercadante ao governo

O PT lançará o senador Aloizio Mercadante como pré-candidato ao governo de São Paulo ainda em busca dos pequenos partidos como PRTB, PTN, PSL, PSC e PHS para compor a chapa. Sábado haverá o encontro estadual do PT que marca oficialmente o lançamento da pré-candidatura dele e da ex-prefeita Marta Suplicy ao Senado. O ato terá a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff. Até o momento, a chapa de Marcante tem o apoio do PDT, PR, PRB, PC do B e PSL.

Segundo o presidente do PT de São Paulo, Edinho Silva, o nome mais forte para compor com Marta é o do vereador Netinho de Paula (PC do B). O dirigente petista disse que as conversas com o PSB estão suspensas, enquanto os socialistas mantiverem a opinião de lançar o presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Paulo Skaf, candidato ao governo paulista. Desde o início do processo estamos respeitando o PSB, que optou pela a construção de uma candidatura própria , disse Silva.

O voto paulista

O PT de São Paulo ainda espera, mas apenas formalmente, a reunião entre o presidente Lula e o deputado Ciro Gomes, pré-candidato do PSB à sucessão presidencial, para lançar ao governo de São Paulo o senador Aloizio Mercadante. Espera com a pressa de caso decidido.

Com mais de 22% dos eleitores brasileiros, São Paulo tem o maior colégio eleitoral do país e jamais deu um voto de confiança ao PT para governar o estado. O partido perdeu em 2006 com Mercadante, senador eleito em 2002 com votação recorde, e nunca repetiu nome nas eleições em que disputou no estado, vencidas pelo PSDB e PMDB.

O presidente Lula ensaiou mudar o disco com Ciro, vendo a chance de com ele tirar o estado do PSDB. E sobretudo tirá-lo da disputa com a candidata já consagrada pelo PT, a ministra Dilma Rousseff.

O roteiro pareceu completo quando Ciro o atendeu e transferiu em setembro o domicílio eleitoral do Ceará para São Paulo. No meio do caminho, com as alfinetadas de Ciro no PT paulista, Lula passou a ver méritos na persistência – ele próprio vitorioso só na quarta tentativa. Mercadante, praticamente reeleito, segundo as pesquisas internas do PT, foi persuadido neste cenário a mudar de objetivo.

Para Mercadante, não só para fazer número e dar palanque a Dilma. Para Lula, porque é o nome mais visível e mais bem avaliado do PT em São Paulo para a disputa, provavelmente contra Geraldo Alckmin, sem Ciro tirado da cartola. O que será vai depender do eleitor.
(Correio Braziliense)

Ciro reclama de ameaças do PT paulista

Um dia após a divulgação da pesquisa de intenção de voto CNI/Ibope, o deputado Ciro Gomes subiu o tom contra o PT e afirmou não ter vocação para PC do B. Em entrevista à TV Estadão, o pré-candidato do PSB à Presidência disse temer que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva atue para constranger seu partido a não lhe conceder a legenda para sua candidatura ao Planalto. Lula, pela delicadeza com que me trata, não me pedirá jamais para não ser candidato, disse o deputado. Questionado se haveria outra forma de o presidente fazê-lo ficar de fora do pleito, Ciro afirmou: As outras formas podem ser muito cruéis. Por exemplo, constranger o partido a não me dar legenda.

O parlamentar deve ter uma reunião com a cúpula do PSB no mês que vem para bater o martelo sobre a candidatura. Lideranças do seu partido defendem apoio à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff ? que na última pesquisa CNI Ibope apareceu a apenas 5 pontos do governador José Serra, virtual candidato do PSDB.

A saída da corrida presidencial não significa embarque na disputa ao governo de São Paulo ? projeto inicial de Lula que está praticamente enterrado. Ciro sempre resistiu à ideia e, nas últimas semanas, o PT consolidou o nome do senador Aloizio Mercadante como postulante. Declarações de Ciro contra o PT paulista azedaram mais a negociação.

Não tenho vocação de PC do B para ser humilhado, como aliado do PT. Sou parceiro. Me respeita. Agora, na hora que eu quiser dizer que estão errados, vão ouvir. E podem reagir, que também respeito, afirmou ao se referir a ameaças pelos jornais de parte do PT paulista. Para petistas, Ciro quer mesmo é ser vice de Dilma, o que ele nega: Ninguém é candidato a vice.

Questionado sobre a parceria com o PT, praticamente inviabilizada em São Paulo, ele ironizou: Oh, que pena. Quero dizer com muita seriedade: nunca foi o meu propósito. Completou: Estou pouco ligando, francamente, engoli as bobagens que o PT falou quando fiz o sacrifício. Não falei nada, afirmou, em relação às declarações da ex-prefeita Marta Suplicy, que ironizou a candidatura Ciro em São Paulo.

Em 2006, nesta fase, estavam cogitando minha candidatura para governador do Rio. E o PT, como sempre, porque a natureza de escorpião é essa, pela boca de Vladimir Palmeira (petista do Rio), mandava o cacete em mim. Estou acostumado. Agora tem os petistas do Ceará. Conheço eles há vinte anos, declarou.

Ciro afirma não ter um problema com o PT, em geral. Me dou super bem com Lula e com a maioria esmagadora do PT. Pergunte ao Zé Eduardo Martins Cardozo. Não vai ser mais candidato porque não aguenta mais.

Ele minimizou a pesquisa CNI/Ibope em que está estagnado em 11% da intenção de voto. Defendeu sua permanência no páreo para politizar o debate.

(Estado de S.Paulo)

Ciro cria mal estar com PT paulista

Por onde anda, por onde fala Ciro Gomes costuma criar polêmica, inimigos e desafenças até com aliados. Não foi diferente com o PT de São Paulo. Depois de tentar forçar uma candidatura do ex-governador do Ceará para disputar o Palácio dos Bandeirantes, a legenda do PT paulista ficou magoada com uma declaração de Ciro dizendo que o partido do Estado e´um “desastre”.

De acordo com o presidente do PT de São Paulo, Edinho Silva, a opinião de Ciro está fora de sintonia. “É uma situação fora de contexto ao processo que nós estávamos construindo com ele, que é de muito respeito e lealdade”, afirmou.

Ainda segundo o presidente do PT-SP, a possível aliança para lançar Ciro candidato em São Paulo está praticamente sepultada. “[A declaração] interrompe um processo de construção que estávamos fazendo”, disse.

Aqui não!

Aloizio Mercadante ainda não foi lançado candidato ao governo paulista, mas já manifestou ao PT e ao Planalto sua contrariedade com a visita que Dilma fará hoje à Fiesp, evento que indiretamente servirá para promover a campanha do presidente da entidade, Paulo Skaf (PSB), ao mesmo cargo.

Império da esfiha

E O IMPÉRIO da esfiha só cresce em São Paulo. Depois de Maluf, Afif, Alckmin e Kassab, Paulo Skaf surge agora como postulante ao governo. Parece que todos os descendentes de libaneses, turcos e árabes que vivem em Sampa resolveram entrar para a vida pública. A cesta básica dos paulistas deveria ser preparada na Habib´s.
Diário de Pernambuco

Marta defende Ciro e chama Alckmin de ‘chuchu’

Antes contrária à candidatura de Ciro Gomes ao Governo de São Paulo, Marta Suplicy passou a defender o nome do ex-governador do Ceará para ser o candidato do PT ao Palácio dos Bandeirantes. Com aquele seu jeitinho bem peculiar, Marta dissse que prefere “um cabra arretado do que um picolé de chuchu”.

A mudança de opinião da ex-prefeita faz parte de um movimento encabeçado por Lula a fim de convencer Ciro a retirar seu nome da disputa presidencial, deixando assim a disputa polarizada entre Dilma Boneco de Olinda Rousseff com o tucano José Serra.